J. Zegdun - O mundo do midrash - A árvore do conhecimento do bem e do mal


E Deus ordenou ao homem, dizendo: «De toda árvore do jardim comerás. E da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás, porque no dia em que dela comeres morrerás” [1] .

Gênesis 2, 16-17 E a mulher disse à cobra: "Do fruto de qualquer árvore podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus disse:" Não coma, e não toque nele, senão você morrerá."

Gênesis 3, 2-3 Disse o rabino Pinchàs filho de Jair: «Esta árvore, até que o primeiro homem a comeu, não se chamava senão árvore, como as outras árvores. Mas quando o homem comeu em transgressão do decreto divino, ele veio chamou a árvore do conhecimento do bem e do mal.' Encontramos muitas coisas que são chamadas com base em seu destino final ». E de onde você tirou que não foi chamado assim desde o início? Da resposta da mulher à cobra. Veja o que ele respondeu: «E de fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele; e ele não respondeu: 'Do fruto da árvore do conhecimento do bem e da humanidade19. Novamente: quando Deus disse ao homem: 'Por que você está se escondendo?' O que ele disse? 'Você comeu da árvore da qual eu ordenei que você não comesse?' E ele não disse 'Da árvore do conhecimento'... ». E por que ele o chamou de "do conhecimento do bem e do mal?" Porque, quando o homem comeu, conheceu o mal; até que tivesse transgredido o mandamento, foi-lhe decretado o cansaço, o cansaço, o frio, o calor, a dor e tudo o que pudesse prejudicá-lo; mas quando transgrediu a proibição divina, todos os males começaram a atingi-lo e impedir suas ações. E por que Deus ordenou que o homem comesse de todas as árvores, exceto uma? Para que você sempre o veja, lembre-se de Seu criador e reconheça o domínio de Seu criador, e não fique orgulhoso.

Midràsh Tadshè, cap. 7 O problema da árvore do conhecimento do bem e do mal tem atraído estudiosos de todas as épocas. O que significa a expressão "do conhecimento do bem e do mal"? Está talvez relacionado com a mudança que ocorreu no homem depois que ele comeu o fruto? Sabe-se que a reação foi “abriram-se os olhos de ambos e perceberam que estavam nus, colocaram algumas folhas de figueira e fizeram-lhes cintos” (Gn 3, 7). De acordo com o Midrash, o conhecimento do bem e do mal é uma consequência da transgressão. De fato, o homem e a mulher começam a sofrer, ao conhecer certos fatos naturais dos quais antes eram imunes: frio, calor, fadiga, etc. Segundo outros comentadores, o conhecimento do bem e do mal não é consequência direta de ter comido o fruto, que o mal consiste em ter violado o mandamento divino; isso já é um mal e, portanto, o homem, ao transgredir o mandamento, toma consciência do bem e do mal. É interessante notar, para entender o estilo Midrash, como o Midrash constrói sua tese deduzindo-a do fato de que em alguns versos falamos simplesmente de uma árvore. A árvore, portanto, torna-se "do conhecimento do bem e do mal" quando o homem come seu fruto. O Midrash não está interessado no fato de que existam outras linhas que possam contradizer sua tese; por exemplo, o próprio Deus diz ao homem antes que ele venha comer da árvore: "Da árvore do conhecimento do bem e do mal..." (Gn 2, 17). Mas este é o método do Midrash: tomando as linhas que ele precisa para formular seu discurso, mesmo que haja outras linhas que possam contradizer sua tese. É útil insistir em outro problema colocado pelo Midrash: por que Deus ordenou ao homem que não comesse da árvore? O Midrash dá uma resposta que pode servir para entender outras normas do judaísmo e, em particular, pela analogia com o nosso caso; as regras da nutrição. De facto, sabe-se que ao longo dos séculos foram dadas várias respostas sobre as razões destas regras: razões de higiene, razões de conservação, etc. todos os argumentos questionáveis. (ver R. Di SEGNI, Guide to Jewish Food Standards, Roma, 1976-5736, pp. 15-18). A resposta do Midrash é talvez a mais convincente. Deus deu padrões alimentares aos judeus pela mesma razão que proibiu comer a fruta; para que sempre nos lembremos de Deus todos os dias. O homem lembra que Deus está acima dele, então ele sempre será humilde e prosseguirá com justiça na vida.

[1] A tradução é literal. Então 'para morrer você vai morrer' é a forma de expressão do hebraico bíblico.

3 visualizações0 comentário