Midrash e pesquisa


Anna Arbib Colombo

"Sete semanas você vai contar para si mesmo" (Dt 16, 9)


Durante o período de Pésach (festa comemorativa da saída dos judeus do Egito) até Shavu'òt (tempo em que a Torá foi dada), cada judeu é obrigado a colocar em prática um preceito muito particular: contar, ou seja, o dias e semanas entre estas duas solenidades.


Este preceito, entre outras coisas, tem a finalidade de sublinhar a importância de uma preparação gradual, essencial para poder acessar a Escritura de maneira correta, e a tarefa de destacar a necessidade de que essa preparação seja pessoal e individual.


Cada judeu tem seu próprio caminho para alcançar a Torá e seu dever é buscá-la, persegui-la e, então, transmitir aos outros o que de novo e essencial ele certamente aprendeu. Somente a pesquisa individual pode levar à renovação e não pode haver estudo real sem pesquisa real.


O mundo do Midrash (da raiz DRSH, investigar, estudar em profundidade) tem precisamente a difícil tarefa de descobrir o significado mais profundo da Escritura, de tornar a mensagem nela contida sempre atual e vital para toda a humanidade e para o povo judeu. especial.


O termo "Midrash", portanto, indica o resultado de uma investigação exegética do texto sagrado que foi praticado pelos Mestres da era talmúdica e seus seguidores.


Os Midrashìm (plural de Midrash), que inicialmente tiveram que ser transmitidos oralmente (talvez para distingui-los do texto bíblico, fixo e imutável) e que foram posteriormente exibidos em várias coleções, podem ser distinguidos no Midrash Halakhà e no Midrash Aggadà.


O Midrash Halakhà tem um conteúdo jurídico e através dele os rabinos extraíram do texto todas as normas que permitem a aplicação da lei bíblica na vida cotidiana do indivíduo judeu e da comunidade. O Midrash Aggadà (de que tratamos neste volume), por outro lado, diz respeito a tudo o que não é estritamente ritual e tenta encontrar uma forma de aproximar a Torá do homem, sensibilizando-o para os problemas inerentes à relação entre homens e entre eles e Deus.


Muitos desses Midrashim tentam usar uma linguagem simples, que impressiona, intriga e leva o leitor a fazer perguntas que muitas vezes são essenciais para a vida social e espiritual do indivíduo. Nesse sentido, é emblemático em nossa opinião que muitas vezes são as crianças que, com sua maneira direta e intuitiva, são capazes de fazer perguntas corretas e relevantes sobre o conteúdo das parábolas dos Mestres e muitas vezes fornecem respostas de grande profundidade e grande valor.


I. Heinemann em seu “Darché Hahalakhà” escreveu: “Os Mestres do Midrash não abordam os problemas de forma esquemática e filosófica... mas de forma concreta e real. A ideia abstrata é representada com uma imagem viva e real” .


O Midrash, portanto, é um estudo que pode unir pais e filhos, professores e alunos, mas deve ser tratado da maneira correta, tentando descobrir o significado original desejado pelos Mestres. Abordar o Midrash como um trabalho arqueológico ou como um simples conto de fadas é, de fato, equivalente a perder a verdadeira profundidade da mensagem contida nele e também perder a maioria dos significados da Torá.


Parece-nos essencial concluir esta breve introdução com um breve Midrash:


No tratado do Sanhedrìn está escrito: "O Messias virá em uma geração completamente culpada" .


O Midrash, para explicar essa afirmação problemática, usa uma metáfora:


“Um rei tinha uma filha com quem conversou quando a encontrou na rua. Tendo crescido, o rei entendeu que não era adequado falar com ela em público e decidiu construir um palácio para que pudessem continuar a comunicar-se em privado” .


Esse comportamento é comparável à relação entre Deus e o povo de Israel, que, no início de sua história, precisava de grandes manifestações divinas. Após receber a Torá e, portanto, tornar-se uma nação completa, o povo construiu o Santuário, símbolo de uma relação íntima com Deus e baseada na interioridade, no "coração". Assim, a Torá escreve: "Você fará um santuário para mim e eu residirei entre eles" .


Mas quando, após a destruição do Templo, essa relação internalizada foi perdida, as grandes revelações externas foram novamente necessárias. E nós, que somos a geração completamente "culpada" que vê uma parte tão grande de seus filhos desaparecer por assimilação, nós que não reconhecemos mais milagres, precisamos de revelações intelectuais, para aprofundar a relação com Deus através do estudo; estudo da Torá que, segundo os Mestres, trará a vinda do Mashìach.


Extraído de "Midrashìm - contos judaicos antigos do jornal" Per Noi ", Morashà 1999 - Esgotado


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo