top of page

​ Judaísmo Reformista e Haskalá: Contrastes e Convergências

Por: Dr. Reginaldo Ramos Teodoro


O judaísmo reformista e o movimento da Haskalá representam duas respostas distintas, mas inter-relacionadas, ao desafio da modernidade enfrentado pelos judeus europeus a partir do final do século XVIII. Ambos movimentos buscaram, de maneiras diferentes, reconciliar a identidade judaica com as exigências e oportunidades do mundo moderno.


### Haskalá: O Iluminismo Judaico


A Haskalá, ou Iluminismo Judaico, emergiu na Europa no final do século XVIII, inspirada pelos ideais do Iluminismo europeu. Liderado por figuras como Moses Mendelssohn, a Haskalá promoveu a educação secular e a integração cultural, incentivando os judeus a participarem plenamente na sociedade europeia. O movimento defendia uma modernização do judaísmo que fosse compatível com a racionalidade e o progresso científico.


#### Principais Características da Haskalá


1. Educação Secular: A Haskalá incentivou o estudo de ciências, literatura e línguas modernas, além dos textos religiosos tradicionais.

2. Integração Cultural: Os maskilim (adeptos da Haskalá) buscavam integrar-se na sociedade em geral, adotando modos de vida e vestimentas semelhantes aos de seus vizinhos não judeus.

3. Reforma Religiosa: Embora não radical, a Haskalá apoiava algumas reformas litúrgicas e educacionais para tornar o judaísmo mais acessível e menos isolado.


### Judaísmo Reformista


O judaísmo reformista surgiu na Alemanha no início do século XIX, influenciado tanto pela Haskalá quanto pelas transformações sociais e políticas do período. Fundado por líderes como Abraham Geiger e Samuel Holdheim, o judaísmo reformista foi mais longe do que a Haskalá na adaptação dos rituais e crenças judaicas às necessidades da vida moderna.


#### Principais Características do Judaísmo Reformista


1. Reformas Litúrgicas: O movimento reformista introduziu mudanças significativas na liturgia, incluindo o uso da língua vernácula (em vez do hebraico) e a introdução de sermões inspirados nos modelos cristãos protestantes.

2. Enfoque Ético: Os reformistas colocavam uma ênfase maior nos princípios éticos e morais do judaísmo, muitas vezes reinterpretando os rituais e leis para refletir valores contemporâneos.

3. Teologia Progressista: A teologia reformista evoluiu para enfatizar a revelação contínua e a adaptabilidade da lei judaica, permitindo uma maior flexibilidade na prática religiosa.

4. Igualdade de Gênero: O judaísmo reformista foi pioneiro na promoção da igualdade de gênero dentro do judaísmo, incluindo a ordenação de mulheres como rabinas.


### Judaísmo Reformista ao Redor do Mundo


O judaísmo reformista rapidamente se espalhou da Alemanha para outros países, particularmente os Estados Unidos, onde encontrou um terreno fértil. Hoje, é a maior denominação judaica nos Estados Unidos, com instituições bem estabelecidas, como a Union for Reform Judaism (URJ) e o Hebrew Union College-Jewish Institute of Religion (HUC-JIR). O movimento também tem presença significativa no Reino Unido, onde é conhecido como Judaísmo Liberal, e em Israel, onde é representado pelo Movimento Judaico Progressista.


#### No Brasil


No Brasil, o judaísmo reformista começou a se estabelecer no início do século XX, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. A Congregação Israelita Paulista (CIP), fundada em 1936 em São Paulo, é uma das principais sinagogas reformistas do país, conhecida por sua abordagem inclusiva e progressista. A CIP tem desempenhado um papel importante na promoção de uma prática judaica que abraça a modernidade e a inclusão. A Congregação Israelita de Londrina ou Brit Brachá Brasil, braço brasileiro da Brit Braja Worldwide Jewish Outreach vem revolucionando o ensino do judaísmo de forma didática e com cursos à distância muito antes disso virar moda, através da visão particularmente moderna de nosso querido rabino, Rabbi Jacques Cukierkorn. Através de políticas assertivas e de um ensino particularmente dedicado e focado nas reais necessidades dos dias contemporâneos, o Rabbi e a família Baggio têm sido representantes modernos desse mesmo judaísmo reformista. 


### Retorno ao Judaísmo e os Cristãos-Novos


Uma questão única no contexto brasileiro é o retorno ao judaísmo por parte dos descendentes de cristãos-novos. Durante a Inquisição, muitos judeus sefarditas foram forçados a se converter ao cristianismo, criando uma diáspora de "cristãos-novos" que mantiveram práticas judaicas secretas. Nos últimos anos, alguns descendentes desses cristãos-novos têm buscado retornar formalmente ao judaísmo.

O judaísmo reformista tem desempenhado um papel significativo nesse processo de retorno. Devido à sua abordagem inclusiva e menos rigorosa em comparação com o judaísmo ortodoxo, o judaísmo reformista oferece um caminho acessível para aqueles que desejam reconectar-se com suas raízes judaicas. Congregações reformistas no Brasil têm acolhido esses indivíduos, proporcionando um espaço onde podem explorar e reafirmar sua identidade judaica.


### Contrastes entre Haskalá e Judaísmo Reformista


1. Objetivo Principal: Enquanto a Haskalá visava a modernização e integração cultural dos judeus na sociedade europeia, mantendo uma base tradicional, o judaísmo reformista focava na reforma interna da religião judaica para torná-la mais compatível com a vida moderna.

2. Extensão das Reformas: A Haskalá propôs mudanças moderadas, enquanto o judaísmo reformista implementou reformas litúrgicas e teológicas mais profundas e abrangentes.

3. Integração vs. Identidade: A Haskalá buscava a integração cultural e social dos judeus, enquanto o judaísmo reformista enfatizava a necessidade de adaptar a identidade religiosa às realidades contemporâneas, muitas vezes resultando em uma identidade judaica mais fluidamente integrada com a cultura circundante.


### Convergências


Apesar das diferenças, ambos os movimentos compartilhavam um compromisso com a modernidade e a crença de que o judaísmo poderia e deveria evoluir. Ambos buscavam aliviar a tensão entre a tradição judaica e o mundo moderno, ainda que de formas distintas.


### Legado e Impacto


A Haskalá e o judaísmo reformista tiveram impactos duradouros no judaísmo mundial. A Haskalá preparou o terreno para a modernização e integração cultural dos judeus na Europa, enquanto o judaísmo reformista estabeleceu um modelo de prática religiosa adaptável e inclusiva, que influenciou outros movimentos judaicos modernos, como o conservadorismo e o judaísmo reconstrucionista.

### Conclusão


A Haskalá e o judaísmo reformista representam respostas complementares aos desafios da modernidade para os judeus. Embora divergentes em seus métodos e focos, ambos movimentos foram fundamentais para moldar a identidade judaica contemporânea, promovendo a integração cultural e a adaptação religiosa necessárias para a sobrevivência e o florescimento dos judeus na era moderna. No Brasil, o judaísmo reformista tem sido particularmente significativo para aqueles que buscam retornar ao judaísmo, oferecendo uma via acessível e acolhedora para redescobrir e reafirmar sua herança judaica.


### Bibliografia


1. Mendelssohn, Moses. "Jerusalem: Or on Religious Power and Judaism." University Press of New England, 1983.

2. Katz, Jacob. "Out of the Ghetto: The Social Background of Jewish Emancipation, 1770-1870." Harvard University Press, 1973.

3. Meyer, Michael A. "Response to Modernity: A History of the Reform Movement in Judaism." Wayne State University Press, 1988.

4. Sorkin, David. "The Transformation of German Jewry, 1780-1840." Wayne State University Press, 1999.

5. Elbogen, Ismar. "Jewish Liturgy: A Comprehensive History." Jewish Publication Society, 1993.

6. Plaut, W. Gunther (Ed.). "The Rise of Reform Judaism: A Sourcebook of Its European Origins." World Union for Progressive Judaism, 1963.

7. Della Pergola, Sergio. "Brazilian and United States Jewry: A Comparative Demographic Perspective." American Jewish Year Book, 2003.

8. Klein, Charlotte. "The Emergence of Modern Jewish Historiography: Motives and Motifs." Littman Library of Jewish Civilization, 2010.

9. Kaufmann, Yehezkel. "The Religion of Israel: From Its Beginnings to the Babylonian Exile." University of Chicago Press, 1960.

10. Schwarz, Sid. "Finding a Spiritual Home: How a New Generation of Jews Can Transform the American Synagogue." Jewish Lights Publishing, 2003.


11 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page