Morre aos 93 anos Shimon Peres

28/09/2016

O eterno presidente de Israel, Shimon Peres, faleceu na madrugada da quarta-feira, 28 (hora local) aos 93 anos.

“Foi-se o último dos pais fundadores de Israel. Um gigante. Sua voz de moderação fará falta  em um mundo cada vez mais radicalizado e intolerante”, declarou o presidente da Conib, Fernando Lottenberg. Ele e o então vice-presidente Michel Temer estiveram em Israel para as comemorações do 90º aniversário de Peres, em 2013.

"Shimon dedicou sua vida para o renascimento do nosso povo. Foi um visionário que olhou para o futuro. E também um gigante da defesa de Israel, cujas capacidades reforçou em muitos aspectos", disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O presidente do Congresso Judaico Mundial, Ronald Lauder, falou sobre o legado do grande líder:

“Peres sintetizou as muitas realizações de Israel ao longo das últimos sete décadas. Encarnou o sonho sionista, ajudou a construir um estado livre, seguro e próspero na antiga terra do povo judeu.

Sua vida foi dedicada a tornar o projeto sionista um sucesso. Ele não apenas falou de paz, como trabalhou para que ela se tornasse uma realidade, ainda durante sua vida. Sabia que era possível.

Também sabia que Israel não seria salvo pela força militar ou pela diplomacia ou pela força econômica, mas apenas pela combinação de todas as três. Buscou armas para defender o Estado incipiente, na década de 1950, criou alianças diplomáticas que foram cruciais para a posição de Israel no mundo, e ajudou a trazer ao país algumas das tecnologias mais inovadoras.

Aos 90 anos, mantinha enorme curiosidade pelos temas de ciência, pesquisa e desenvolvimento humano. Estava sempre muito bem-informado e tinha uma visão ampla das coisas”.

Leia abaixo uma biografia que procura mostrar as múltiplas ações de Peres prol de seu país ao longo de décadas de história.


VIDA QUE NÃO CABE EM UMA BIOGRAFIA
 

Shimon Peres, 93 anos de idade; Israel, 68. Peres não apenas viu o Estado de Israel nascer, como foi um de seus parteiros. O eterno presidente de Israel nasceu em 1923 na cidade de Wieniawa, na Polônia (atual Vishniev, Bielorrússia).

Seus pais, Yitzhak, um rico comerciante de madeira, e Sarah, bibliotecária, apoiavam o Movimento Sionista e, em 1934, emigraram para a Palestina, fugindo do forte antissemitismo na Europa Central. Os avós e um tio de Shimon ficaram na Polônia e acabaram sendo mortos no Holocausto.

Shimon estudou em um colégio agrícola. Lá se uniu, aos 15 anos de idade, à organização militar Haganá, para defender as comunidades judaicas recém-criadas de ataques árabes. Fundada em 1920, a organização foi responsável pela defesa dos judeus na Palestina até a fundação do Estado do Israel e representou o embrião de seu futuro exército. Haganá, em hebraico, significa defesa.

Aos 20 anos, Peres foi eleito secretário-geral do Movimento Juvenil Socialista Sionista, e se aproximou de David Ben-Gurion, político mais influente do país e líder que conduziu o processo de criação do Estado de Israel. Peres se tornou um dos seus mais aplicados discípulos.

Nessa época, durante a Segunda Guerra Mundial, o pai de Shimon se voluntariou para lutar ao lado dos ingleses. Foi capturado pelos alemães, mas conseguiu escapar. Recapturado, foi sentenciado à morte, mas salvo de última hora por um padre australiano. Recebeu uma medalha de Sua Majestade por sua coragem.

Em 1945, Shimon casou com Sonya Gelman, com quem viveu até 2011, quando ela faleceu. Juntos tiveram três filhos.

Em 1947, ele organizou, dentro da Haganá, a divisão de armas e de pessoal. Em 1953, foi nomeado por Ben-Gurion diretor-geral do Ministério da Defesa, a pessoa mais jovem a assumir o cargo, que manteve até 1959. Nesse período, foi fundamental na aproximação entre Israel e França, para absorção da tecnologia nuclear, e ajudou a criar a indústria aeronáutica do país. Fortaleceu laços com França, Alemanha e Reino Unido, contribuindo para a segurança de Israel.

A partir de 1959, começou uma carreira em que acumulou cinco décadas de serviço como membro do Parlamento Israelense – o Knesset, um recorde.

Em 1968, foi fundamental na reaproximação de correntes políticas de centro-esquerda, que fundaram o Partido Trabalhista. De 1969 a 1977, ocupou diversos cargos ministeriais.

Foi o responsável pela recuperação da Força de Defesa israelense após a Guerra de Iom Kipur, em 1973, e supervisionou a retirada das forças israelenses na frente egípcia, visando a um acordo de paz entre Egito e Israel.

Em 1976, como ministro da Defesa do governo Rabin, foi diretamente responsável pela ação de resgate de passageiros de um voo da Air France sequestrado por terroristas palestinos e levado ao aeroporto de Entebbe, em Uganda. Peres foi um dos poucos no gabinete que acreditou desde o princípio na ação. Além do incentivo, ajudou na organização do voo para o resgate e resistiu até o último minuto às demandas dos terroristas, alegando que deveria haver outra forma de salvar os reféns.

Com a vitória do Likud nas eleições gerais de 1977, Peres assumiu o comando do Partido Trabalhista, cargo em que ficou até 1992. Nesse período, também foi eleito vice-presidente da Internacional Socialista.

Nas eleições de 1984, após a renúncia de Begin, foi formado o governo de União Nacional, quando Likud e trabalhistas fecharam acordo para um rodízio nos cargos-chave do governo. Peres foi premiê de 1984 a 1986. Nesse período, promoveu a retirada parcial do Exército israelense para uma estreita faixa territorial no sul do Líbano, que ficou conhecida como “zona de segurança”. Também foi responsável por um importante plano econômico, que reduziu a inflação israelense.

Em 1992, perdeu a liderança do trabalhismo para seu principal rival dentro do partido, Yitzhak Rabin. Os trabalhistas venceram as eleições gerais, e Peres ficou com o cargo de ministro das Relações Exteriores. Foi o arquiteto dos acordos de Oslo, que resultaram no início do processo de paz com os palestinos, assinado em 1993, em Washington. Um ano depois, ao lado de Rabin e Yasser Arafat, recebeu o prêmio Nobel da Paz, por seu “esforço para criar a paz no Oriente Médio”.

Ao longo de 40 anos, Shimon Peres e Yitzhak Rabin tiveram uma relação conturbada. Apesar da grande rivalidade entre ambos, participaram juntos de grandes conquistas para Israel.

Peres desenvolveu uma relação secreta com o rei Hussein da Jordânia, o que levou ao Tratado de Paz entre os dois países, em 1994. Posteriormente, se esforçou para promover as relações com países árabes no Norte da África e no Golfo Pérsico.

Em novembro de 1995, com o assassinato de Rabin, assumiu o cargo de primeiro-ministro e ministro da Defesa. Nas eleições do ano seguinte, foi derrotado por Binyamin Netanyahu e deixou o comando do partido.

Em 1996, criou o Centro Peres pela Paz, uma organização não partidária, não governamental, cuja missão é ajudar a construir uma infraestrutura para a paz no Oriente Médio, promovendo o desenvolvimento socioeconômico, a cooperação e a compreensão mútua, em cooperação com parceiros árabes e israelenses no âmbito da economia, cultura, educação, saúde, agricultura e mídia.

Após a morte de Rabin, Bill Clinton, presidente dos Estados Unidos, foi taxativo: “Peres precisa ser eleito [em 1996] para o processo de paz sobreviver”. Os dois firmaram uma forte parceria momentos antes das eleições, discutindo questões como economia, segurança e paz no Oriente Médio.

A partir de seus encontros, acordos como o “US-Israel Counter-Terrorism Cooperation Accord”, que estabelecia medidas práticas para que ambos os países fizessem o melhor uso possível de seus recursos, capacidades e habilidades na guerra contra o terror, foram assinados. Além disso, fortaleceu-se também o apoio norte-americano ao Estado Judeu, como forma de garantir que Israel conseguisse se defender contra qualquer adversário. Entretanto, Peres foi derrotado por Netanyahu.

No ano 2000, o governo trabalhista de Barak propôs um acordo de paz em Camp David, que foi recusado por Yasser Arafat, líder palestino. Peres era Ministro da Cooperação Regional do governo Barak.

Em 2001, um ano após o início da Segunda Intifada, Peres, já ministro das Relações Exteriores do governo Sharon, tentou em vão encontrar-se com Arafat, para acabar com os ataques terroristas.

Em 2005, anunciou sua saída do trabalhismo e, ao lado de Ariel Sharon, fundou o partido Kadima (“Adiante”, em hebraico). Neste ano, Israel se retirou unilateralmente da Faixa de Gaza. Em junho de 2007, foi eleito pelo Knesset o nono presidente da história de Israel.

Neste cargo, Peres visitou o Brasil em 2009. E ficou incomodado com a tendência pró-palestina do governo brasileiro. Mostrou-se irritado pelo que chamou de “falta de seriedade” do então presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, quando questionado sobre as votações do Brasil na ONU em relação a Israel. Em 2010, Lula tornou-se o primeiro presidente do Brasil a visitar oficialmente Israel.

Em 2014, Peres recebeu Fernando Henrique Cardoso em Jerusalém. Conversaram sobre a situação socioeconômica brasileira, além de discutirem a paz no Oriente Médio, questão em que ambos partilhavam a mesma opinião: o melhor meio de se alcançar a paz é sem o uso da violência.

Seu Centro Peres para a Paz virou parada obrigatória políticos, artistas, atletas, celebridades. “Todos passaram por lá para beijar a mão de Peres. Sem isso, a visita a Israel não estaria completa”, como escreveu na Rua Judaica a jornalista Daniela Kresch, brasileira radicada em Israel.

Ela completou: “Ele é um ícone dentro e fora de Israel, alguém que aprendeu a falar a língua da paz e a pregá-la numa região que quase nunca segue este ensinamento. Sempre acreditou num novo Oriente Médio, de cooperação e de amizade entre os povos. Se realmente se for, irá antes de presenciar sua visão. Se realmente se for, nunca realmente irá. Peres é imortal”.

 

Please reload

 

BRIT BRACHA BRASIL - CNPJ: 19.121.806/0001-66  

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram ícone social

**** O site da BBB - BRIT BRACHA BRASIL® é autenticado conforme os parâmetros de segurança online internacional de mais alto rigor. Utilizamos de todos os meios para manter a loja de forma estável e segura. Para sua segurança, nunca divulgue sua senha a estranhos. Leia todas as informações concernentes antes de concretizar tua compra. É recomendável usar o navegador Mozilla Firefox ou Google Chrome atualizados, com Flash Player e Java atualizado para navegação livre de erros. Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste website sem autorização por escrito. Todos os direitos reservados à BBB.