G. Volli - Uma breve história dos judeus da Itália - Parte 9


IX. A luta pela independência Éfácil entender como esses oprimidos se lançaram fervorosamente na luta pela independência nacional. O Risorgimento italiano não é apenas um movimento de redenção nacional, mas também e sobretudo um movimento social grandioso, que se insere no quadro mais amplo de um movimento europeu; e para os judeus, o Risorgimento significava não só a unidade da Itália, mas também e sobretudo a emancipação; a luta não era apenas contra o estrangeiro que pisoteava o solo nacional, mas também contra as classes mais atrasadas da sociedade italiana, preocupadas apenas em manter os antigos privilégios e manter as tradições do conservadorismo clerical. Todos os judeus da Itália participam dessa luta: fazem parte de sociedades secretas; em Florença, os irmãos Paggi imprimem panfletos e cartazes clandestinos para incitar a luta; em Vercelli, o Collegio Foà torna-se uma verdadeira forja de patriotismo. Todos os judeus que habitualmente viajam a negócios tornam-se os intermediários naturais entre as várias sociedades secretas; eles continuamente oferecem armas e dinheiro. Entre os primeiros combatentes judeus do Risorgimento italiano devemos lembrar: Abramo Fortis, que participou das revoltas de Faenza em 1820, Israel Latis, condenado pelo duque de Modena a Rubiera em 1822, e Angelo Levi, que tombou em combate em Salerno em 1828. A Revolução de julho de 1830 derruba a monarquia Bourbon na França, e essa revolução também tem suas repercussões na Itália: os distúrbios de 1831. Em Modena Angelo Usiglio e seu irmão Enrico são colaboradores de Ciro Menotti; pode-se dizer que todo o movimento dos patriotas modeneses é financiado por banqueiros judeus. Agora a causa dos judeus está mais do que nunca ligada à dos patriotas italianos: se um governo reacionário entra em colapso, as leis antijudaicas são revogadas. Assim aconteceu em Roma e Ferrara, onde os governos provisórios revogaram essas leis; mesmo que parte da população continuasse a nutrir sentimentos hostis em relação aos judeus. Mas os motins de 31, abafados pela intervenção imediata das milícias austríacas, fracassam, e na cidade de Ciro Menotti todas as restrições antijudaicas voltam a vigorar, incluindo o "sinal judaico"; pelo contrário, o duque de Modena mostrou tanta fúria contra os judeus que até o comandante austríaco interveio para lhe aconselhar um pouco de moderação. Na dura repressão que se seguiu aos levantes de Modena, patriotas e judeus estão unidos; e isso mostra claramente como eles estavam unidos na luta. As condições políticas instáveis ​​caracterizadas nesta época, por levantes revolucionários destinados a fracassar devido à organização imatura, seguidas de repressões rígidas, refletem-se nas condições dos judeus: em Ferrara as portas do gueto são substituídas e depois removidas; em Lugo e Ancona as portas do gueto não são postas de volta em suas dobradiças, mas os judeus são forçados a viver dentro dos muros. Enquanto isso, o movimento de libertação se afirma na consciência dos italianos; Giuseppe Mazzini funda a "Jovem Itália". Mazzini, a princípio, não teve muita simpatia pelos judeus - talvez por influência de FD Guerrazzi - como aprendemos, entre outras coisas, de uma carta que ele enviou de Londres para sua mãe em 1845 (7); mas então ele muda de ideia e conta os judeus entre seus melhores amigos. No exílio de Londres tem como companheiro Ângelo Usiglio, passaporte que obteve do rabino de Livorno; em Londres estabeleceu fortes laços de amizade com a família do banqueiro Nathan, cuja casa estava aberta a todos os exilados italianos. Sarina Nathan se tornará sua conselheira de confiança e terminará sua conturbada existência em Pisa na casa de Jeannette Nathan Rosselli, filha de Sarina. (7) Nesta carta, contando à mãe que foi convidado a entrar na casa por certos banqueiros judeus” (os Nathans) Mazzini diz, certamente brincando: “Espero não acabar como o padre Tommaso”; alusão evidente ao caso de Damasco ) ocorrido cinco anos antes, quando os judeus de Damasco foram acusados ​​de terem matado, por assassinato ritual, o capuchinho de Turim, padre Tommaso Genovesi. Em Turim, o movimento Mazziniano é financiado pela família Todros. David Levi di Chieri, o banqueiro poeta, escreve uma ode em memória dos irmãos Bandiera, cuja avó parece ter sido uma judia de Ancona. Em Livorno, os judeus continuam a ter liberdade ainda que parcial. Ali foi fundada uma empresa dirigida por dois judeus (Ottolenghi e Montefiore): “Os verdadeiros italianos”; mas os animadores são presos. Todos os judeus anseiam pelas liberdades civis às quais sabem que têm direito. Em 1842, ao imperador Fernando (a quem já havia sido apresentada uma petição pelos judeus em 1838) em visita a Milão, uma delegação das comunidades judaicas da Lombardia-Venetia pediu a abolição das restrições. O imperador prometeu se interessar por eles; mas então ele não fez nada. No ano seguinte, as Comunhões Israelitas do Reino Lombardo-Veneto enviaram dois representantes a Viena (o advogado Consolo de Verona nos deixou um diário de sua missão, que durou de 29 de maio a 21 de julho de 1843) para interceder junto ao governo austríaco para que eles foram abolidas as proibições mais odiosas: a exclusão dos notários, da profissão de farmacêutico, a proibição de residência permanente para novas famílias judias, a proibição aos professores israelitas de instruir discípulos não-israelitas, ou mesmo grupos de israelitas, testemunhar deficiências, a fórmula humilhante do juramento; mas apesar da intervenção do barão Solomon de Rothschild com o príncipe de Metternich, eles não obtiveram nada além de promessas vãs. Mas se todos os judeus lutaram pela unidade e independência da Itália, também todos os patriotas, por sua vez, foram a favor dos judeus: a emancipação judaica é considerada um ato de justiça que faz parte do programa de reivindicações italiano; o estudo da história judaica pode ajudar a compreender a história de todos os povos se examinarmos sua atitude em relação aos judeus. Em 1830 Gabriele Pepe escreveu um artigo na "Antologia" sobre este tema; em 1836 Carlo Cattaneo publicou um estudo intitulado: “Pesquisa econômica sobre as proibições impostas aos israelitas” (8); Vincenzo Gioberti em seu "Primado Civil dos Italianos" argumenta que os judeus devem ser emancipados; Niccolò Tommaseo, Angelo Brofferio, Cesare Balbo, todos são ardentes defensores da emancipação judaica; os dois irmãos D'Azeglio (Massimo e Roberto) realizam suas atividades em favor dos judeus, o primeiro com escritos ("Da emancipação civil dos israelitas", dedicado ao papa), o segundo trabalhando com fervor pela emancipação de não católicos. Entre os amigos dos judeus, não devemos esquecer Ugo Foscolo, de quem é narrado este episódio significativo: quando ainda menino, a população de Zaquintos queria um dia invadir o gueto. Já as portas do pequeno gueto estavam prestes a ceder, quando ele pulou no muro e gritou para a multidão: "Covardes, para trás, covardes!" . A reprimenda do menino Foscolo fez cair em si a multidão enfurecida, que, renunciando à intenção de atacar os judeus, se dispersou. o primeiro com escritos ("Sobre a emancipação civil dos israelitas", dedicado ao papa), o segundo trabalhando com fervor pela emancipação dos não católicos. Entre os amigos dos judeus, não devemos esquecer Ugo Foscolo, de quem é narrado este episódio significativo: quando ainda menino, a população de Zaquintos queria um dia invadir o gueto. Já as portas do pequeno gueto estavam prestes a ceder, quando ele pulou no muro e gritou para a multidão: "Covardes, para trás, covardes!" . A reprimenda do menino Foscolo fez cair em si a multidão enfurecida, que, renunciando à intenção de atacar os judeus, se dispersou. o primeiro com escritos ("Sobre a emancipação civil dos israelitas", dedicado ao papa), o segundo trabalhando com fervor pela emancipação dos não católicos. Entre os amigos dos judeus, não devemos esquecer Ugo Foscolo, de quem é narrado este episódio significativo: quando ainda menino, a população de Zaquintos queria um dia invadir o gueto. Já as portas do pequeno gueto estavam prestes a ceder, quando ele pulou no muro e gritou para a multidão: "Covardes, para trás, covardes!" . A reprimenda do menino Foscolo fez cair em si a multidão enfurecida, que, renunciando à intenção de atacar os judeus, se dispersou. do qual é narrado este episódio significativo: quando ele ainda era um menino, o povo de Zakynthos queria invadir o gueto um dia. Já as portas do pequeno gueto estavam prestes a ceder, quando ele pulou no muro e gritou para a multidão: "Covardes, para trás, covardes!" . A reprimenda do menino Foscolo fez cair em si a multidão enfurecida, que, renunciando à intenção de atacar os judeus, se dispersou. do qual é narrado este episódio significativo: quando ele ainda era menino, a população de Zakynthos queria um dia invadir o gueto. Já as portas do pequeno gueto estavam prestes a ceder, quando ele pulou no muro e gritou para a multidão: "Covardes, para trás, covardes!" . A reprimenda do menino Foscolo fez a multidão enfurecida cair em si, que, desistindo da intenção de atacar os judeus, se dispersou. (8) A nova palavra: israelita, cunhada pelos próprios judeus porque a palavra bíblica: judeu assumiu um significado pejorativo ao longo dos séculos, logo entra no uso comum. Atitude hostil para com os judeus continuam a manter os reacionários, que agitam a turba e isso às vezes se entrega a excessos. Assim aconteceu em Mântua: em 1843 ocorreu um julgamento, devido a violentas manifestações antijudaicas; processo também lembrado em Viena pelo Dr. Bassano de Mântua, companheiro do advogado Consolo de Verona na missão, já mencionada, enviada à capital austríaca pelas Comunhões Judaicas do Reino Lombardo-Veneto. Em 1846 Pio IX ascendeu ao trono papal (Mastai Ferretti de Senigallia), um papa de mente aberta que despertou esperança nos corações dos liberais; os católicos moderados anseiam pela ideia de uma federação de estados italianos chefiada pelo papa. Todos os patriotas e até os judeus olham para Pio IX com confiança; e de fato ele permite que os judeus tenham lápides (o que não era permitido há dois séculos), ele abole o sermão obrigatório e o imposto de carnaval; fala-se até em derrubar as portas dos guetos.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo