G. Volli - Uma breve história dos judeus da Itália - Parte 15


XV. A Segunda Guerra Mundial - As deportações - A Resistência Após o armistício de setembro de 1943, a situação piorou ainda mais; começam as detenções e deportações; os habitantes do gueto de Roma são presos em massa e enviados aos campos de extermínio; em 1º de dezembro, o governo de Salò ordena oficialmente a prisão de todos os judeus e o confisco de seus bens. No cumprimento dessas ordens, os asseclas fascistas são auxiliados pelos alemães, que ocupam a Itália. Mas o comportamento do povo italiano (com poucas exceções: especialmente nas pequenas cidades, onde os rancores pessoais são mais tenazes, ocorrem excessos graves: muito grave em Trieste) é realmente exemplar, é comovente; muitos, cientes do perigo a que estavam expostos, salvam a vida de judeus italianos e estrangeiros escondendo-os em suas casas; os guerrilheiros acompanham os idosos e as crianças até a fronteira suíça e os salvam. Muitos judeus encontram refúgio e salvação nos mosteiros, hospitaleiramente abertos a eles. Mas mesmo os judeus honram nas lutas da Resistência; como durante o primeiro Risorgimento também lutam neste, justamente chamado de segundo Risorgimento, escrevendo uma bela página em sua história. Junto com seus irmãos italianos, os judeus lutam e morrem pela liberdade e pela justiça; porque a liberdade e a justiça são bens preciosos para todos, mas especialmente para aqueles que foram privados delas durante séculos. Entre os caídos pela Causa, lembraremos para todos os jovens: Franco Cesana de Bolonha, o mais jovem partidário da Itália, Emanuele Artom de Turim, esperança do judaísmo italiano, e Rita Rosani de Trieste.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo