G. Volli - Uma breve história dos judeus da Itália - Parte 13


XIII. Entre as duas guerras mundiais - A imprensa judaica Muitas comunidades antigas decaem; outras se consolidam e se ampliam: a comunidade judaica de Bolonha - que mesmo após a expulsão dos judeus de Bolonha em 1836, continuou a existir ilegalmente, exercendo suas funções no Oratório da Via Gombruti, fundado por Angelo Carpi de Cento em 1829 - reconstituído em 1864, foi oficialmente reconhecido em 1911; a de Milão está organizada e está a caminho de se tornar um importante centro da vida judaica; a de Gênova está aumentando constantemente devido ao afluxo de judeus do Piemonte e Livorno; a de Nápoles, que começou a se organizar por volta de 1831, tem sua sinagoga após a expulsão dos Bourbons. As cidades italianas são enriquecidas com belos templos (10); a de Florença em estilo mourisco, a mais bela da Itália; a de Trieste, a maior da Europa; em Turim, a Mole Antonelliana seria uma sinagoga e simbolizaria, com sua ousada cúpula subindo ao céu, a libertação dos judeus da longa escravidão. Mas então este projeto foi abandonado por falta de meios; concluída pela Câmara Municipal, a Mole Antonelliana é hoje a sede do Museu do Risorgimento. Em Roma, a sinagoga é construída no Lungo Tevere, à beira do gueto. (10) É assim que as sinagogas são chamadas impropriamente após a emancipação. O florentino Angiolo Orvieto, poeta e crítico literário, autor de “Il vento di Sion”, que é o cancioneiro de um judeu florentino do século XVI, pertence à geração judia que continua trabalhando e produzindo após a guerra; o livornês Sabatino Lopez, aclamado dramaturgo; os escultores Jesi e Minerbi; o pintor Modigliani, cuja arte foi avaliada pelo seu justo valor logo após a sua morte; o ator Piperno; o músico Castelnuovo Tedesco. A imprensa é representada pelo semanário "Israel" de Florença, formado pela fusão, ocorrida em 1915, do "Corriere Israelitico di Trieste", fundado em 1862, e a "Semana Israelita" de Florença, fundada em 1910. A primeira revista judaica impressa na Itália: "La Rivista Israeltica" de Parma, fundada por Cesare Rovighi em 1845, cessou suas publicações após três anos; enquanto "L'Educatore Israelita" de Vercelli, fundada em 1853, mudou seu nome para "Il Vessillo Israeltico", continuou a ser publicado até 1922. A revista mensal de "Israel" é considerada a melhor revista judaica nos países latinos. A editora de Israel foi fundada em Florença, principalmente por iniciativa do rabino Margulies. Hoje, tanto o semanário "Israel" quanto a editora de mesmo nome estão sediados em Roma.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo